Terça, 28 de Maio de 2024
Publicidade

Clezão: Grito por Justiça na Avenida Paulista

O ato, intitulado "Em defesa do Estado Democrático de Direito, dos Direitos Humanos e em Memória do Patriota Clezão"

27/11/2023 às 12h36
Por: Magno Malta
Compartilhe:
Foto: Divulgação/Instagram
Foto: Divulgação/Instagram

No último domingo, participei da manifestação na Avenida Paulista, imerso na atmosfera carregada de emoção que reverberava gritos de "Volta, Bolsonaro". O ato, intitulado "Em defesa do Estado Democrático de Direito, dos Direitos Humanos e em Memória do Patriota Clezão", refletia a indignação generalizada diante da morte de um inocente e da atual situação política brasileira.

Continua após a publicidade
Anúncio

Clezão, ou Cleriston da Cunha, faleceu no dia 20 de novembro na Penitenciária da Papuda, em Brasília, vítima de um mal súbito durante o banho de sol. Aos 46 anos, ele enfrentava condições médicas sérias, incluindo diabetes e hipertensão, enquanto aguardava uma soltura recomendada pela Procuradoria-Geral da República desde setembro. Ou seja, Clezão deveria estar solto e com sua família.

Os laudos médicos revelaram seis atendimentos entre janeiro e maio, encaminhamentos hospitalares, e havia um parecer favorável à sua liberdade. No entanto, Clezão permaneceu detido, aguardando uma análise que nunca ocorreu por parte do ministro Alexandre de Moraes. Uma injustiça que resultou na perda de uma vida inocente.

Aliás, a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária emitiu uma nota ressaltando os cuidados médicos desde a entrada de Clezão na unidade em janeiro de 2023. Entretanto, em novembro, mesmo diante das tentativas de reanimação após um mal súbito, não foram suficientes para salvá-lo. Tudo isso provoca, além da perda de um inocente, reflexões sobre as condições dos patriotas detentos, não apenas Clezão, desde 8 de janeiro.

Com isso, a morte de Clezão tornou-se um marco, uma lembrança trágica que mobilizou a população. Eu sabia que essa injustiça no Brasil se transformaria em combustível para uma reação vigorosa dos brasileiros. Prisões ilegais, sentenças desproporcionais e a comoção pela morte de Clezão desencadearam uma onda de coragem e revolta que se manifestou nas ruas.

A memória de Clezão tornou-se um símbolo dessa indignação, ecoando na manifestação que presenciei. Uma multidão se reuniu democraticamente e pacífica, clamando por justiça e expressando profunda insatisfação com o atual momento político e jurídico do Brasil. Este é um episódio triste, mas também um chamado para questionarmos não apenas a morte de Clezão, mas as falhas sistêmicas que permitiram essa tragédia. A justiça deve prevalecer não apenas nos tribunais, mas na garantia dos direitos e na preservação da vida, independentemente das circunstâncias.

Continua após a publicidade
Manifestação
Caption

 

Receba as principais notícias do Brasil pelo WhatsApp. Clique aqui para entrar na lista VIP do WK Notícias. 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Magno Malta
Sobre o blog/coluna
Magno Pereira Malta é pastor evangélico, cantor e político brasileiro. Foi senador pelo Espírito Santo de 2003 a 2019 e eleito novamente em 2022. Ingressou na vida pública em 1993, quando foi eleito vereador, e posteriormente foi deputado estadual e federal
Ver notícias
Campo Grande, MS
12°
Tempo nublado

Mín. 10° Máx. 17°

11° Sensação
6.17km/h Vento
71% Umidade
0% (0mm) Chance de chuva
07h06 Nascer do sol
06h06 Pôr do sol
Qua 19° 10°
Qui 23° 10°
Sex 26° 13°
Sáb 29° 15°
Dom 32° 18°
Atualizado às 12h02
Economia
Dólar
R$ 5,16 -0,29%
Euro
R$ 5,61 -0,15%
Peso Argentino
R$ 0,01 -0,47%
Bitcoin
R$ 369,954,65 -2,81%
Ibovespa
124,614,37 pts 0.1%
Publicidade