Quinta, 13 de Junho de 2024
Publicidade

Operação Segurança Legal: PF fiscaliza 64 estabelecimentos em Mato Grosso do Sul

Ação visa combater segurança privada clandestina que coloca em risco integridade física e patrimônio; 7 autos de encerramento foram lavrados

24/05/2024 às 10h44 Atualizada em 24/05/2024 às 10h44
Por: Tatiana Lemes
Compartilhe:
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Nesta quinta-feira (23), a Polícia Federal deflagrou a oitava fase da Operação Segurança Legal em Mato Grosso do Sul, mirando 64 estabelecimentos como parte dos esforços para combater a segurança privada clandestina. A ação, que ocorreu em 25 capitais e no Distrito Federal, resultou na fiscalização de cerca de 500 locais, incluindo casas noturnas, comércios e condomínios.

Continua após a publicidade
Anúncio

A PF alerta que a contratação de serviços de segurança privada sem autorização coloca em risco tanto a integridade física das pessoas quanto o patrimônio dos contratantes. Isso ocorre porque os "seguranças" clandestinos não passam pelo controle da Polícia Federal em relação aos seus antecedentes criminais, formação, aptidão física e psicológica.

Em Mato Grosso do Sul, durante os dois dias de fiscalização de Segurança Privada, foram vistoriadas 64 empresas. Como resultado, foram lavrados 7 autos de encerramento por atividade clandestina e 1 auto de notificação de tomador de serviço irregular.

As empresas que atuam de forma clandestina também não cumprem os requisitos mínimos de funcionamento previstos na legislação. No Brasil, somente empresas de segurança privada autorizadas pela PF podem prestar serviços e contratar vigilantes. A operação da PF reforça a importância da legalidade nesse setor crucial para a segurança pública e privada.

Receba as principais notícias do Brasil pelo WhatsApp. Clique aqui para entrar na lista VIP do WK Notícias. 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários