Sábado, 13 de Julho de 2024
Publicidade

"Abin Paralela": PF realiza prisões preventivas em operação contra monitoramento ilegal e fake news

Polícia Federal deflagra nova fase da Operação Última Milha para desmantelar esquema de espionagem e notícias falsas envolvendo sistemas da Abin

11/07/2024 às 08h28
Por: Tatiana Lemes
Compartilhe:
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Nesta quinta-feira (11), a Polícia Federal (PF) deflagrou a 4ª fase da Operação Última Milha, com o objetivo de desarticular uma organização criminosa envolvida no monitoramento ilegal de autoridades públicas e na produção de notícias falsas, utilizando sistemas da Agência Brasileira de Inteligência (Abin). Foram cumpridos cinco mandados de prisão preventiva e sete mandados de busca e apreensão, expedidos pelo Supremo Tribunal Federal (STF), nas cidades de Brasília, Curitiba, Juiz de Fora, Salvador e São Paulo.

Continua após a publicidade
Anúncio

As investigações desta fase revelaram que membros dos Três Poderes e jornalistas foram alvos das ações do grupo, que criou perfis falsos e divulgou informações sabidamente inverídicas. Além disso, a organização criminosa acessou ilegalmente computadores, aparelhos de telefonia e infraestrutura de telecomunicações para monitorar pessoas e agentes públicos.

Os investigados podem ser indiciados pelos crimes de organização criminosa, tentativa de abolição do Estado Democrático de Direito, interceptação clandestina de comunicações e invasão de dispositivo informático alheio.

Histórico da Operação Última Milha

A primeira fase da Operação Última Milha foi deflagrada em 20 de outubro de 2023, para investigar o uso indevido de sistemas de geolocalização de celulares por servidores da Abin, sem autorização judicial. Na ocasião, a PF cumpriu dois mandados de prisão e 25 de busca e apreensão, além de outras medidas cautelares, nos estados de São Paulo, Santa Catarina, Paraná, Goiás e no Distrito Federal.

Entre os presos estavam Rodrigo Colli, profissional da área de contrainteligência cibernética da Abin, e o oficial de inteligência Eduardo Arthur Izycki.

Em 25 de janeiro deste ano, a Operação Vigilância Aproximada, desdobramento da Última Milha, teve como alvo o deputado federal e ex-diretor-geral da Abin Alexandre Ramagem (PL-RJ). Policiais federais realizaram buscas no gabinete do parlamentar na Câmara dos Deputados e no seu apartamento funcional em Brasília.

Continua após a publicidade

Ramagem, que é delegado da PF, e outros policiais federais foram investigados por suspeita de integrar uma organização criminosa que se instalou na Abin para monitorar ilegalmente autoridades públicas e outras pessoas, utilizando um software espião chamado FirstMile. As investigações apontam que Ramagem teria autorizado os monitoramentos sem fundamentos técnicos que os justificassem.

Receba as principais notícias do Brasil pelo WhatsApp. Clique aqui para entrar na lista VIP do WK Notícias. 

*Com informações Metrópoles

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Campo Grande, MS
14°
Tempo nublado

Mín. Máx. 21°

13° Sensação
2.57km/h Vento
77% Umidade
44% (0.15mm) Chance de chuva
07h14 Nascer do sol
06h13 Pôr do sol
Dom 24° 10°
Seg 24° 11°
Ter 26° 12°
Qua 29° 14°
Qui 32° 17°
Atualizado às 12h01
Economia
Dólar
R$ 5,43 +0,00%
Euro
R$ 5,93 +0,00%
Peso Argentino
R$ 0,01 +0,05%
Bitcoin
R$ 338,252,08 +2,04%
Ibovespa
128,896,98 pts 0.47%
Publicidade