Terça, 28 de Maio de 2024
Publicidade

Especialistas defendem ocupação estratégica das cidades para evitar desastres

Inundações no RS e suas consequências foram tema de debate na Câmara nesta quarta-feira

15/05/2024 às 23h31
Por: WK Notícias Fonte: Agência Câmara
Compartilhe:
Vinicius Loures / Câmara dos Deputados
Vinicius Loures / Câmara dos Deputados

As inundações no Rio Grande do Sul voltaram a ser tema de audiência na Câmara dos Deputados. Reconstrução, adaptação às mudanças climáticas, retirada de gases de efeito estufa da atmosfera, plantio de árvores, moradia e geração de empregos foram alguns dos pontos abordados no debate realizado nesta quarta-feira (15), na Comissão de Legislação Participativa, a pedido das deputadas Fernanda Melchionna (Psol-RS) e Talíria Petrone (Psol-RJ).

Continua após a publicidade
Anúncio

No encontro, o presidente do Ibama, Rodrigo Agostinho, afirmou que a crise mostra a necessidade de estratégias que não são exclusivas do setor ambiental e chamou a atenção para o tipo de ocupação das cidades brasileiras, especialmente das áreas de risco.

“Historicamente as pessoas ocupam por vários motivos. Um deles é porque o terreno é mais barato. A população mais pobre acaba se sujeitando a isso, às vezes em uma área pública, em uma área sujeita a risco. Às vezes, são levadas por políticas públicas equivocadas, por processos de grilagem”, afirmou Agostinho.

O professor do Instituto de Geociências da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Rualdo Menegat também aconselhou a pensar melhor o desenvolvimento das comunidades urbanas, que deverão estar preparadas para enfrentar as adversidades que virão pela frente.

Habitação e emprego
A deputada estadual no Rio Grande do Sul Luciana Genro (Psol) defendeu programas habitacionais que repensem a própria cidade. “A tragédia pode ser um momento de aumento da segregação espacial. Porto Alegre é uma das cidades mais segregadas do Brasil, onde pessoas negras e pobres estão mais distanciadas da zona central da cidade”, lamentou. “Ao mesmo tempo, temos imóveis privados e públicos vazios. O anúncio do governo de que vai adquirir imóveis para as pessoas que ficaram desabrigadas é importante”, salientou.

Outra preocupação manifestada na audiência foi quanto ao desemprego. Camelôs, por exemplo, estão sem ter onde trabalhar, uma vez que o centro de Porto Alegre foi inundado, como lembrou o vereador na capital gaúcha Roberto Robaina (Psol).

Urgências
Em sua fala, Fernanda Melchionna criticou o “negacionismo climático” e o desmonte da legislação ambiental brasileira. Ela também anotou as sugestões recebidas na audiência, mas ressaltou que ainda há questões urgentes a serem resolvidas. “A água, a assistência. É preciso lutar para que não parem as doações. Muita gente ainda está fora de casa.”

Continua após a publicidade

Na avaliação da deputada Talíria Petrone, só quando a água baixar vai ser possível saber o tamanho da tarefa necessária para garantir a vida da população. “Há pessoas que perderam tudo: sua memória, seus amores, seus animais de estimação, seu vínculo com a história. E no caminho que estamos este não será um caso excepcional”, disse.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Campo Grande, MS
10°
Tempo nublado

Mín. 10° Máx. 17°

Sensação
5.14km/h Vento
82% Umidade
0% (0mm) Chance de chuva
07h06 Nascer do sol
06h06 Pôr do sol
Qua 19° 10°
Qui 23° 10°
Sex 26° 13°
Sáb 29° 15°
Dom 32° 18°
Atualizado às 09h02
Economia
Dólar
R$ 5,15 -0,35%
Euro
R$ 5,61 -0,20%
Peso Argentino
R$ 0,01 -0,52%
Bitcoin
R$ 372,787,13 -2,00%
Ibovespa
124,771,76 pts 0.22%
Publicidade